Associação Portuguesa de Podologia recomenda suspensão imediata de consultas programadas de podologia

APP

A Associação Portuguesa de Podologia (APP), seguindo as orientações das Entidades de Saúde e considerando as medidas tomadas pelo Governo, recomenda aos seus associados, bem como aos profissionais de podologia, a adoção de medidas no controlo da epidemia do COVID-19 em Portugal.

Estas medidas vigoram pelo período de duas semanas, sendo que estarão em constante reavaliação.

“Temos o dever de proteger as vidas dos podologistas, das nossas famílias, dos nossos utentes e da população. Temos de tomar medidas para travar esta catástrofe. Como profissionais de saúde devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para a proteção de todos e para erradicar, no mais curto espaço de tempo, a propagação deste vírus.”, recomenda Manuel Portela, Presidente do Conselho Diretivo da APP.

Perante esta situação, a APP alerta para fatores como:

  • Suspendam a atividade e consultas programadas de podologia;
  • Agendem para avaliação e tratamento as situações comprovadamente urgentes, nomeadamente situações inadiáveis, como doentes diabéticos com lesão, situações de infeções ou situações altamente limitativas, de forma a evitar a sobrecarga dos serviços públicos de saúde;
  • Se mantenham contactáveis com os doentes e que realizem sempre uma triagem prévia a qualquer contacto físico.
  • A situação epidemiológica que se vive, a nível mundial, causada pela pandemia de COVID-19, e o aumento dos casos de infeção em Portugal, com o alargamento progressivo da sua expressão geográfica;
  • As medidas que, perante o referido quadro, têm vindo a ser tomadas pelo Governo, no sentido de conter as possíveis linhas de contágio e controlar o crescimento exponencial da epidemia no País;
  • A atividade de podologia, pela sua natureza, implicar o contacto direto, próximo e demorado entre o profissional de saúde e o paciente, circunstância que representa risco acrescido de contágio pelo novo Coronavírus SARS-CoV-2, causador da doença COVID-19;
  • O risco de contágio que representa a continuidade do normal funcionamento desta atividade;
  • A atividade em causa, na maioria dos casos, não exige intervenções urgentes ou inadiáveis.

Face a este panorama a APP recomenda a todos os podologistas que:

Share